amorTecido

NU em pêlo visto,
quando não apenas despido,
mas, quase reparido,
viria ao mundo
e ao mundo veria noutro menino.
se eu te fosse íntimo como um vestido,
sobrepeles, um tecido de sentidos,
todo o ar tornaria-se gozo!
no sentido mais perigoso.

2 comentários:

rogerio santos disse...

Beleza de espaço Rodrigo !
Parabéns e continue a publicar essas raridades...

Abraços
Rogerio
de Sampa

Jac. disse...

Me vestir desse vestido
Todo de sentimentos tecido...

Ah, Rodrigo...sua poesia me arrebata!

Que bom (re)encontrá-lo!

Meu carinho!!